segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Erros de criação e administração de sites que afastam clientes...


Quantos profissionais de TI e empresas dão o devido valor para os seus sites? Quantos se dedicam em mantê-los atualizados, sem erros em estrutura, sem excessos de métodos de SEO, sem links quebrados ou com um visual agradável para os visitantes?

Nem todos são zelosos. Pode parecer brincadeira, porém, numa pequena pesquisa pela web podemos encontrar diversos sites de empresas ou profissionais de TI que simplesmente esqueceram de seus sites, que o abandonaram e deixaram esta importante ferramenta de divulgação às moscas. Aquilo que pode e deve ser uma parte da imagem séria e confiável da corporação ou de um indivíduo acaba sendo uma imagem de desleixo, desorganização e afasta potenciais clientes.

O Site “Quebrado”

Quantas oportunidades uma empresa listada num diretório de empresas, por exemplo, perde quando um possível cliente visita seu site e tudo o que encontra são imagens quebradas?!

Pior ainda é quando a página em questão está fora do ar por falta de pagamento do serviço de hospedagem ou má configuração de servidor. Qual empresa quer ser encarada seriamente se mal consegue pagar um servidor para hospedar seu site ou mal consegue contratar um profissional para configurar seu servidor?

Acredite, nada é pior para uma empresa de TI do que possuir problemas internos (e nunca resolvidos) relacionados ao seu ramo de atuação: se você não consegue lidar com o servidor web da sua empresa, os clientes pensarão que você não terá capacidade para lidar com nenhum outro tipo de servidor, muito menos com os dele.

Monitorar o site constantemente e procurar por erros de formatação, tags mal encerradas e conteúdo multimídia perdidos deve ser rotina sua ou do responsável pelo site.

O Site Antiquado

Há ainda a subcategoria dos sites abandonados: aqueles que nunca são atualizados ou se parecem com os primeiros sites puramente feitos em HTML, que não obedecem as boas práticas do tableless, que poluem o conteúdo com imagens demais e texto coeso de menos. Achar o que é preciso num site desses torna-se uma missão impossível para o visitante.

Um site desatualizado não é somente aquele que mantém informações de cinco anos atrás ou quatro meses sem qualquer revisão simples. Um layout que parou no tempo também passa más impressões: sua empresa pode ser moderna, inovadora, mas com um site parado no tempo, seus clientes pensarão que você também parou no tempo e te descartarão.

O Site “Caça Palavras”

Há também os sites com excesso de informação, que mais se parecem com um livro de 1.000 páginas do que com uma página da web informativa. Muito texto, na maioria das vezes prolixo, pouca informação importante e necessária. Não obrigue o visitante a ler 600 linhas para encontrar o seu e-mail, que você realiza consultoria em TI ou até mesmo o valor de contratação daquele servidor dedicado.

Muitas empresas não sabem quais informações colocar em suas páginas. Umas optam por textos curtíssimos, outras exageram no tamanho. O segredo é simples: coloque seus diferenciais, explore os pontos fortes da empresa, analise seus textos antes de colocá-los no site. Faça um teste simples: pegue o material a ser publicado, leia e repare se você gastaria algum tempo lendo esses materiais caso fosse um cliente.

O Site Arco-Iris

Teoria das cores é (ou deveria ser) uma das matérias essenciais na formação de qualquer profissional que trabalhe com criação visual. Webdesigners não fogem a regra.

O problema é que de uns tempos pra cá, não é preciso ser webdesigner para criar um site: com o fácil acesso as informações na internet e como o HTML não é nenhum bicho de sete cabeças, praticamente qualquer um consegue criar um site básico. O problema disso, em alguns casos, mora em teoria e bom senso.

Cores fazem parte da teoria e do bom senso. Sites que abusam de cores berrantes assustam e afastam os outors pelo escândalo de cores usadas. Pior ainda são aqueles que fazem combinações exuberantes com as cores, ora deixando o texto ilegível, ora provocando um carnaval de vertigens no visitante.

Antes que optar por fúcsia como fundo e amarelo para cor das letras, lembre-se: o seu cliente não procura por um site onde ele ache todas as cores possíveis e existentes.

O Site Pesado

Contrário àqueles que abandonam os sites, há quem adote os pesados sites 100% em Flash. Lembre-se: estamos na era da velocidade, aonde a informação propaga-se rapidamente e cada vez mais as pessoas exigem velocidade – até o tempo de resposta de um clique sofre com essa pressa toda.

Um site em flash, que é pesado e demora mais de dois segundos para carregar, tem a mesma capacidade de afastar clientes que um site abandonado ou quebrado. De uns anos pra cá, criar um site 100% em Flash já não é mais visto com bons olhos, e não somente pela galera do marketing que implementa SEO, mas por usuários da web que se cansam facilmente em esperar a abertura de um site. A web é dinâmica, portanto, precisa de rapidez e agilidade – e um site abarrotado de animações em Flash com certeza não é nada disso.

Se o site de sua empresa ou o seu encaixa-se numa dessas situações, pare um pouco e comece a pensar: o seu cliente não procurou por uma empresa que ofereça um site de desafios (no caso, o desafio de achar a informação e seção correta); ele entrou no seu site para achar o serviço pelo qual precisa e, por fim, achar uma forma de contato com você para fechar negócios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário