sexta-feira, 29 de junho de 2012

Google é punido em R$ 20 mil por ofensas a diretor em blog


O Google terá que pagar uma indenização de R$ 20 mil ao diretor de uma faculdade de Minas Gerais por não ter retirado do ar ofensas contra ele em um blog hospedado no Blogger, serviço mantido pela gigante das buscas. De acordo com a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), apesar de não se poder responsabilizar o fornecedor do serviço pelas ofensas, ele pode ser penalizado pela omissão no caso.

O diretor acionou o Google depois de encontrar conteúdo difamatório produzido por alunos em um blog. Apesar da decisão da Justiça para remoção das mensagens, o Google não cumpriu a ordem. A empresa recorreu ao STJ alegando que não poderia ser responsabilizada por material divulgado por terceiros. A companhia afirmou também que não forneceu o endereço eletrônico do autor das mensagens pois "não houve pedido e muito menos ordem judicial determinando a quebra do sigilo dos dados".

Durante a reunião, a ministra do STJ Nancy Andrighi afirmou que não é responsabilidade do provedor do serviço fazer um monitoramento do conteúdo para impedir a difamação na internet, o que "traria enorme retrocesso ao mundo virtual, a ponto de inviabilizar serviços que hoje estão amplamente difundidos no cotidiano de milhares de pessoas".

A ministra decidiu, no entanto, que o provedor tem responsabilidade de retirada imediata do conteúdo quando for detectado algum dano. "Se, por um lado, há notória impossibilidade prática de controle, pelo provedor de conteúdo, de toda informação que transita em seu site; por outro lado, deve ele, ciente da existência de publicação de texto ilícito, removê-lo sem delongas", afirmou.

O STJ afirmou também que, "ao oferecer um serviço por meio do qual se possibilita que os usuários externem livremente sua opinião, deve o provedor ter o cuidado de propiciar meios para que se possa identificar cada um desses usuários".

Fonte: Terra

domingo, 17 de junho de 2012

Botão de 'não curti' é golpe que se espalha no Facebook


O botão 'não curti' ("dislike", no original em inglês) é um desejo de muitos usuários do Facebook - mas a oferta que vinha circulando pela rede social é um golpe. O aplicativo é oferecido aos usuários - e como chega indicado por um amigo, o internauta nem sempre desconfia - que o instalam sem saber que é na verdade um programa que dá aos desenvolvedores acesso aos seus dados pessoais.

Após ser instalado, o aplicativo envia mensagens para todos os contatos do usuário para continuar se espalhando. Não há evidencias de que o app cause danos, embora ele tente instalar uma extensão no navegador a partir de um site chamado starthimnow.com.

Como a instalação é feita no perfil da rede social mas também na extensão do navegador, o usuário precisa desinstalar o botão 'não curti' no Facebook e verificar as extensões no navegador para apagar o "intruso" ali também.

O Facebook removeu o app depois de várias denúncias, mas estimativas dão conta que mais de 20 mil usuários tenham instalado o 'não curti'.

Fonte: Terra

terça-feira, 12 de junho de 2012

Internet chega a mais de 82 mi de brasileiros, diz Ibope


O número de pessoas com acesso à internet no Brasil chegou a 82,4 milhões no primeiro trimestre de 2012, segundo pesquisa do Ibope, em parceria com a Nielsen Online, divulgada nesta segunda-feira.
O número representa um aumento de 5% ante o primeiro trimestre de 2011, quando o levantamento calculou que 78,2 milhões de pessoas tinham acesso à internet no Brasil.

Se considerados os dados recolhidos pelo censo demográfico realizado em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a pesquisa do Ibope indica que aproximadamente 43% dos brasileiros têm acesso à web.

Fonte: Reuters

quarta-feira, 6 de junho de 2012

LinkedIn confirma vazamento de senhas de usuários da rede


O LinkedIn confirmou nesta quarta-feira em postagem no seu blog oficial que as senhas de alguns usuários da rede social vazaram na web nesta quarta-feira. "Podemos confirmar que algumas das senhas que foram comprometidas correspondem às contas do LinkedIn. Continuamos investigando essa situação", afirmou a companhia na nota.

Segundo o LinkedIn, os usuários com senhas vazadas tiveram suas contas temporariamente indisponibilizadas até que criem uma nova senha. A rede social enviará um e-mail aos usuários afetados com instruções para a troca. "Pedimos sinceras desculpas por qualquer inconveniente que isso causou aos nossos membros. Nós levamos a segurança dos nossos usuários muito a sério", afirmou a empresa.
Profissionais de segurança em computação nos Estados Unidos e na Europa também alertaram que possuem evidências de que a rede social LinkedIn sofreu violações de dados que comprometeram as senhas de um número ainda incerto de usuários.

O LinkedIn havia afirmado no Twitter, mais cedo nesta quarta-feira, que era impossível confirmar que a violação de dados tinha ocorrido. "Nossa equipe continua investigando."
Profissionais de segurança descobriram documentos com cerca de 6,4 milhões de senhas codificadas, na terça-feira, tendo suspeitado que eram de membros do LinkedIn já que algumas senhas incluíam a palavara "LinkedIn", disse Graham Cluley, um consultor-sênior de tecnologia na fabricante britânica de softwares Sophos.

Os dados foram encontrados em sites nos quais hackers frequentemente trocam informações roubadas, incluindo senhas. Os arquivos incluem apenas senhas e não os endereços de e-mails correspondentes, o que significa que as pessoas que fizeram o download do arquivo e decodificaram as senhas, não poderam acessar os perfis facilmente.
Ainda assim, analistas disseram que é provável que os hackers que roubaram as senhas também tenham os endereços de e-mails correspondentes e poderiam acessar suas contas.

Fonte: Reuters.

sábado, 2 de junho de 2012

Google disponibiliza 12 mil sites para MPEs

Representantes da empresa Google Brasil estão na Feira do Empreendedor, em Blumenau, apresentando o projeto “Conecte seu Negócio”, que facilita aos empresários a criação do primeiro site do negócio.

A hospedagem é gratuita por um ano e o empresário ainda ganha um bônus no valor de R$ 150 para anunciar seu negócio no Google. A ferramenta usada para a criação do site é a Yola, que permite ao usuário montar seu site de maneira simples e rápida. São 12 mil endereços gratuitos à disposição dos empreendedores que visitarem a feira.

Fonte: SEBRAE