terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Mundo Corporativo: Líder

Achei muito interessante esta crônica e poderia ter sido escrita por mim...

Ainda no mundo corporativo, outro assunto que rende boa discussão é a liderança, seja por sua ausência nas organizações ou pela escolha inadequada dos líderes.

Quem nunca viveu a situação de “faça o que eu digo, mas não o que eu faço” atire a primeira pedra...via de regra as lideranças são escolhidas pelos mesmos rigorosos critérios que fundamentam a hierarquia.

Então, já conseguimos identificar um dos problemas, mas não é o único, é só mais um.

Liderança é uma característica, ou como preferem alguns, um dom, você nasce com ele, ou sem ele, como na maioria dos casos e não adianta que a criatura não aprende a ser líder, nem que se pague um coaching, é jogar dinheiro fora e fazer a criatura se sentir um líder só na frente do espelho.

A lei mais usada da liderança nas organizações hierarquizadas é: mudar as coisas é fundamental, mas mudar antes dos outros é criatividade pura ou plágio.


O líder sem o dom da liderança normalmente é o idiota em uma alta posição, representando um homem no alto de uma montanha, de onde todos os outros seres lhe parecem pequenos e, ele, no alto de sua montanha, parece pequeno para todas as demais criaturas.

O colaborador que tem um líder fajuto tem sempre dois grandes dilemas:

1 – não importa quanto se faça, nunca terá feito o suficiente e

2 – o que você não fez é muito mais importante do que o que você fez.

Com isso, fica claro que em uma organização hierarquizada a contrapartida por determinado trabalho varia na razão inversa da dificuldade, chatice e importância do trabalho.

O líder nato lidera pelo exemplo e não pela hierarquia, por isso o verdadeiro líder em uma corporação, na grande maioria das vezes, não ocupa o cume da montanha, mas tem como seguidores muitas formiguinhas trabalhadoras, enquanto as cigarras aproveitam o cume.

Nenhum comentário:

Postar um comentário